Curitiba - PR - Brasil

© 2018 Iris Alessi * Flor de Iris. 

41| 99169-2070

download.png

Como escolher agulhas de tricô (pt 2)

Atualizado: 12 de Out de 2018

Agulhas circulares


Não é segredo para ninguém que as agulhas circulares são as minhas preferidas para tricotar. Elas podem substituir todos os outros tipos de agulhas existentes e ainda facilitam nossa vida na hora de fazer os acabamentos. Afinal, não há nada melhor do que não ter de costurar uma peça.


Porque usar agulhas circulares?


Além de permitirem fazer peças sem costuras (esse benefício já seria suficiente para só usar essas agulhas), as agulhas circulares são ergometricamente mais confortáveis para o corpo. Com elas mexemos poucas partes do corpo e fazemos menos força com os ombros, braços e punho, pois o peso fica no colo, já que o trabalho fica espalhado pelo cabo e não apenas em uma agulha, como nas agulhas retas.


Imagine que você está tricotando uma peça grande na largura, como uma manta com cerca de 200 pontos, quando a peça está mais longa e a carreira é finalizada o peso é grande. Além disso, a chance dos pontos caírem é bem menor, se não for nula quando os pontos foram alocados corretamente no cabo.


Outra grande vantagem é que você não vai perder nenhuma agulha do par quando parar no meio da execução do trabalho. Quem nunca perdeu uma agulha, levanta a mão.


As agulhas circulares também são aliadas de quem gosta de tricotar em todos os cantos. Elas são mais fáceis de transportar que as agulhas retas, pois são flexíveis e podem ser acondicionadas em pequenos espaços.


Como escolher as agulhas circulares?


Agora que você já conhece os benefícios das agulhas circulares, deve estar pensando o que considerar na hora de escolher uma.


Existem alguns detalhes que temos de observar na hora de escolher uma agulha:

- passagem da agulha para o cabo: provavelmente esse é o ponto que faz muitas

pessoas odiarem agulhas circulares. Elas podem tem comprado agulhas com

“emendas” ruins e isso dificultou o feitio do tricô. Algumas agulhas têm um

“degrau” na emenda entre o cabo e a agulha. Esse “degrau” atrapalha a passagem

dos pontos, principalmente na passagem no sentido cabo-agulha. Se você sentir

isso numa agulha, tente comprar uma de qualidade melhor.



- maleabilidade do cabo: quanto mais maleável for o cabo, mais fácil e confortável

será o seu trabalho. Essa característica também ajuda em técnicas mais avançadas

como o laço mágico.



- memória do cabo: assim como a maleabilidade do cabo, não tem memória

também é importante. Os cabos sem memória são aqueles que não ficam

enrolados.



- material: no post anterior, já falei sobre os materiais dos quais as agulhas são

feitas. Então na hora de escolher a agulha circular é só prestar atenção se o

material utilizado é de boa qualidade e se tem bom acabamento.



- tamanho do cabo e da agulha: depois de ter observado todos os quesitos

anteriores, você precisa escolher o comprimento da agulha e o do cabo para

escolher o que melhor se adapta a você. No mercado, há agulhas com

comprimento entre 9 cm (conhecidas como short needles) até 12 cm (que são as

mais comuns). A diferença é o uso delas. Com as agulhas mais curtas, é possível

fazer trabalhos circulares pequenos como gorros sem costura e sem laço mágico.

Quanto aos cabos, eles começam em 20 cm (os cm do cabo se somam aos da

agulha para formar o comprimento total da peça) e vão até 1,20/1,50m

dependendo do fornecedor. Cabos pequenos até 60 cm de tamanho total da

agulha, só são válidos para as agulhas curtas. Se você tentar usar uma agulha de

12 cm com um cabo de 20 cm, ficará inviável tricotar. Eu já testei.


Modelos e marcas


Felizmente, o mercado brasileiro está recebendo ferramentas de primeira qualidade. Infelizmente elas ainda não são produzidas aqui, mas ao menos já temos mais opções.

Vou escrever sobre as agulhas as quais eu tive acesso na ordem que mais gosto:



Tupip Carry C: meu novo xodó. Adquiri o jogo de agulhas intercambiáveis este ano e sempre que posso só uso elas. O cabo é maravilhoso. E além de ser muito maleável e sem memória, ele é 360º, ou seja, o cabo gira em falso facilitando trabalhos com o laço mágico. A emenda entre cabo e agulha é ótima, pois há um anel de borracha que fixa a rosca. A linha Knina da Tulip (que é fixa) também é 360º e tem praticamente as mesmas características.



KnitPro Symphonie Wood: meu primeiro jogo intercambiável. Gosto muito delas e por isso estão em segundo lugar no meu coração tricoteiro. Os cabos não são tão maleáveis como as da Tulip, mas são bons. A passagem da agulha para o cabo é muito boa, porém tem de se tomar cuidado para que esteja muito bem apertada, pois acontece de desrosquear e soltar todo o trabalho. Problemas que eu tive com a KnitPro: uma das minhas agulhas deu uma pequena lascada (nada que atrapalhe o trabalho) e alguns cabos tiveram defeitos (não sei dizer se foram os que vieram no jogo ou os que comprei avulso).



Prym Ergonomics: Recentemente conheci a marca Prym e sua linha Ergonomics. É uma agulha de plástico com cabo de aço bem fino e bem maleável. Ela tem uma vantagem maravilhosa para quem está começando a tricotar: a ponta tem uma pequena bolinha que ajuda quando o ponto é laçado na agulha. Uma agulha muito leve e com formato triangular que ajuda quem trabalha por muitas horas seguidas. Só tenho uma circular desta marca. Então quero testar mais algumas para emitir mais opiniões sobre ela.


Agulhas chinesas comparadas no 8Seasons: muito antes do advento do AliExpress eu já comprava gadgets e ferramentas de tricô na China. No site 8Seasons, que antes era 8KnittingSeasons, eu comprei as minhas primeiras agulhas circulares de bambu. Uso elas até hoje. Elas são a terceira via quando as duas anteriores estão ocupadas, ou quando quero levar o tricô para algum lugar que eu possa estragar as agulhas. Problema: o cabo é feito de um tubinho e o tricô não desliza muito bem. Além disso, às vezes ele quebra na emenda com a agulha, mas nada que não possa ser resolvido.



Essas acima são as minhas preferidas. Abaixo vou listar as que eu testei, mas não me adaptei.



Addi Click: Muitas pessoas amam a marca alemã Addi. Eu não me adaptei a elas. Primeiro porque elas são de metal (talvez eu precise experimentar as de madeira). A maneira de encaixar o cabo não é muito fácil e em alguns momentos tricotando ele desencaixou.





KnitterPride Royale: Eu desejei esse jogo por meses, até que consegui comprar. E aí? Decepção. A caixa é linda, o jogo é lindo visualmente, mas não gostei das pontas de metal, que na junção com madeira tem um buraco, degrau, que não ajudam a trabalhar rapidamente. Até agora desse jogo só usei a agulha 4,5mm.



Agulhas bambu da Círculo: Comprei algumas dessas agulhas para testar e indicar para as minhas alunas quando ainda não tínhamos outras opções. Dentro do possível elas são boas. No entanto, eu acho a agulha muito longa, o que dificulta para trabalhar na agulha de 60 cm. O cabo não é muito maleável e não ajuda muito em trabalhos feitos com laço mágico, por exemplo. Mas acho que é uma boa agulha para quem quer iniciar a vida na agulha circular.


E você? Já provou as agulhas circulares? Quais as suas favoritas?

268 visualizações