Curitiba - PR - Brasil

© 2018 Iris Alessi * Flor de Iris. 

41| 99169-2070

download.png

Como escolher agulhas de tricô

Se você está aqui neste site, eu imagino que você saiba que para fazer tricô agulha e fio são os itens básicos. Sobre os fios vamos falar outro dia, porque eu acho que vai rolar polêmica (ou não). Hoje, vamos ver como escolher as agulhas para fazer o tricô nosso de cada dia.


Com mais novidades chegando ao mercado das manualidades, eu tenho certeza que para quem pretende investir em ferramentas de trabalho fica um pouco difícil optar.


Quando falamos em agulhas para tricotar, a primeira imagem que deve vir à sua cabeça deve ser aqueles dois palitos compridos com uma ponta em uma extremidade e um terminal na outra. Entretanto, existem muitas opções por aí e estar bem informados sobre elas é o que te fará escolher a melhor agulha para você.


Crédito: Carlos Iadak

Antes de começar a falar dos tipos de agulhas, queria te propor um desafio. Na próxima vez que você for a um armarinho (qualquer armarinho), diga à pessoa que te atender que você precisa de agulhas de tricô de uma espessura qualquer. Não dê mais nenhuma informação, apenas diga que você quer agulhas e a espessura.


Eu tenho certeza que lhe mostraram agulhas retas e das marcas de fios que dominam o mercado.


E não é por mal que as pessoas nos armarinhos fazem isso, muitas vezes é por falta de conhecimento de outras ferramentas que tenham na loja para vender. (Se eu contar a minha saga para comprar meu primeiro jogo de DPNs, você não acreditaria)


Tipos de agulhas


Mas vamos logo falar o que você precisa saber para escolher suas agulhas.

Existem tipos de agulhas diferentes:


- Retas (pontas simples)

- Circulares

- DPNs (Double-Point Needles ou agulhas de duas pontas)

- Jumper ou Agulhas Flex (que são híbridos entre agulhas circulares e agulhas retas, uma coisa que eu acho que deve ser bem difícil de encontrar aqui no Brasil. P.S.: Se você encontrar me diz onde tem)


Materiais


Todos esses tipos de agulhas que eu citei aí em cima podem ser feitas dos mais diversos materiais. Quando começaram a ser produzidas há um tempinho (coisa de alguns séculos), as agulhas eram feitas de materiais que poderiam ser esculpidos à mão: marfim, madeira, ossos e casco de tartaruga.


Esses eram os materiais disponíveis antigamente. Atualmente, encontramos agulhas dos mais diversos tipos de matéria-prima: madeira, plástico, metal, bambu, etc.


E entre tantos disponíveis, como escolher a agulha certa para tricotar? Primeiramente você precisa conhecer como é a sua tensão de ponto. Por exemplo, meu ponto é mais apertado, mas muitas pessoas tricotam pontos mais frouxos e outras, extremamente apertados. É claro de que você deve ter lido o post sobre amostras, no qual eu falei sobre a pesquisa que 12 pessoas diferentes tricotaram com o mesmo fio, agulha e todas as amostras ficaram diferentes. Se não leu, corre aqui http://www.flordeiris.com/blog-1/como-fazer-amostra.



Crédito: Fer Braga Fotografia

Agora que você já parou para pensar como é sua tensão de ponto, vamos falar sobre como cada material funciona:


Madeira e bambu (meus queridinhos): são agulhas indicadas para quem tem uma tensão mais frouxa, pois, por mais polidas que elas sejam, ainda há atrito com o fio. Se tua tensão for muito apertada, esse fato pode causa fadiga e até lesões. Outro fato relevante, é que elas podem quebrar mais facilmente que outros materiais, principalmente quando as agulhas são muito finas.


Metal: diferente das agulhas de madeira e bambu, as agulhas de metal têm menos resistência e o fio desliza mais facilmente pela agulha. Se seu ponto for muito apertado, a facilidade com qual o fio desliza pela agulha vai facilitar o trabalho. No entanto, esse pode ser um dos contras para quem está aprendendo a tricotar. O outro é o barulhinho que elas fazem quando tricotamos. Eu gosto de tricotar em silêncio (rs), mas muitas pessoas optam pelas de metal justamente por este barulhinho. Atualmente, o material mais usado para fazer essas é o alumínio.


Sintéticas: são as agulhas feitas de materiais derivados do petróleo: plástico e acrílico. São as mais comuns e baratas do mercado nacional. Uma de suas vantagens são as variedades de cores que podem ser dadas as agulhas. Isso facilita até para saber a espessura utilizada. Um dos seus contras é que elas são mais maleáveis que os outros materiais. A qualidade do material sintético também pode variar muito de uma marca para outra. Para quem gosta de trabalhar com agulhas mais grossa, tipo jumbo, esse material é ideal por ser muito mais leve que os demais. Para mim, um grande problema das agulhas de plástico fabricadas no Brasil são as pontas que não são afinadas.


Existem outros materiais dos quais as agulhas são feitas, mas não tem tanta presença assim no mercado (como o vidro).


Então, se você está pensando em adquirir suas agulhas de tricô, sugiro fortemente que você prove as agulhas. Peça para uma amiga emprestar. Solicite um teste em seu armarinho preferido. Só assim você vai estabelecer a melhor agulha para você.


Semana que vem tem mais sobre agulhas.

123 visualizações